Licenciamento Estádio Nacional: IDJ quer “relatório exaustivo”. FCF estranha

22 de setembro de 2021

Estádio Nacional (foto: Décio Barros/RTC)
A+ A-

O Instituto do Desporto e da Juventude garante estar à espera de um relatório exaustivo sobre as reais razões da interdição do Estádio Nacional aos jogos da FIFA e da CAF.

Só assim, a entidade que gere a infraestrutura poderá agir. É que, conforme Frederic Mbassa, presidente do Instituto do Desporto e da Juventude, o IDJ nunca recebeu um relatório a detalhar o que é necessário para o licenciamento.

“A Federação nos informou de que é necessário algumas alterações para que seja licenciado novamente pela FIFA. Nós comunicámos a FCF de que, sim, estamos dispostos a fazer os investimentos necessários para que possa ser licenciado, mas é necessário que tenhamos todas as informações. Queremos um relatório exaustivo do técnico da CAF ou da FIFA, que tenhamos acesso a esse relatório e possamos ver onde temos que investir para que possamos ter esse licenciamento.”

Esse “relatório exaustivo” da CAF e da FIFA é tão importante, diz Frederic Mbassa, até para esclarecer posições desencontradas. É que, segundo o presidente do IDJ, a empresa que faz a manutenção do estádio garante que o relvado está em boas condições.

“Recebemos, sim, uma nota da FCF, que são duas páginas a dizer que o estádio não foi aprovado. Ok, vamos fazer para que o estádio seja aprovado. Por isso, para que haja esse investimento, temos de ter um relatório exaustivo. Porquê? Porque a equipa que faz a manutenção do estádio já nos garantiu que a relva tem qualidade para estar funcional nos próximos 12 ou 18 meses.”

Frederic Mbassa garante que IDJ garante que está disposto a fazer tudo para que o Estádio Nacional volte a ter licenciamento. Mas, continua, é preciso saber tudo sobre as características da relva. “Temos de saber o que é que preciso ser mudado, como tem de ser mudado. Se, no caso da relva, se a bola rola com facilidade, qual a velocidade ideal, a altimetria da relva, quais são os inertes que têm de lá estar, qual a borracha… temos de ter essas informações, e que não temos até hoje.”

Mário Semedo contesta: “o IDJ tem todas as informações e podemos provar”

O presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol diz “não entender” que tipo de relatório exaustivo estará o Instituto do Desporto e da Juventude à espera para agir em relação ao licenciamento do Estádio Nacional.

Mário Semedo garante estar em condições de provar que o IDJ tem o relatório detalhado sobre a inspeção feita por um técnico da FIFA àquela infraestrutura. E lembra que o relatório, feito por um inspetor marroquino, foi entregue há mais de um mês.

“Esse que veio aqui é um dos 10 inspetores credenciados pela FIFA a nível africano. E não fez inspeções apenas em Cabo Verde, fez em outros campos. No mês de agosto, se não me engano no dia 16, nós enviámos o relatório da inspeção que ele fez ao Estádio Nacional. Portanto, o IDJ tem esse relatório, estamos em condições de provar a qualquer momento, documentalmente, que eles receberam esse relatório. Não sei o que ele quer dizer com relatório exaustivo.”

Sobre a necessidade de se especificar todas as características da relva, Mário Semedo lembra que um relvado certificado já responde a todos esses requisitos 

“O que a FIFA exige é uma relva certificada. Uma relva certificada reúne todos esses requisitos que o presidente [do IDJ] está a dizer. É relva certificada.”

Face a este desencontro de pontos de vista, Frederic Mbassa disse na segunda-feira à RCV que, se calhar, falta às duas entidades sentarem-se à mesa e conversarem.

Mário Semedo nega falta de comunicação e, munido de uma série de documentos extraídos de e-mails enviados ao IDJ desde 2020, conclui que o instituto do Desporto e da Juventude “está a ganhar tempo”.

“O IDJ não pode vir agora dizer que não conhece, que não sabe, que está à espera [de um relatório exaustivo]. Isso é ganhar tempo, não vale a pena. Penso que são duas instituições que devem trabalhar com o único objetivo de desenvolver o desporto, neste caso, o futebol. Devemos ter soluções e não entrar em coisinhas que não valem a pena e que são insustentáveis. Ele não pode sustentar a afirmação que fez porque temos os documentos que foram enviados.”

Por falta de licenciamento, o Estádio Nacional não recebe, por agora, jogos internacionais. Mas, o maior palco desportivo de Cabo Verde vai estando no centro de um outro jogo, o de palavras entre a FCF e o IDJ.

A maior infraestrutura desportiva do País, fruto da cooperação entre as repúblicas de Cabo Verde e da China, foi inaugurado em agosto de 2014. O relvado sintético nunca chegou a ter certificado da FIFA, mas ao longo desses sete anos foi recebendo jogos da seleção nacional.

Agora, a entidade que gere o futebol mundial resolve apertar as exigências e já interditou vários estádios no continente africano, desde a Costa do Marfim, passando pela Libéria, Guiné-Bissau, República Centro Africana, Nigéria, entre outros.

Benvindo Neves