Afrobasket Feminino: "Camarões é passado, queremos ganhar Angola e permanecer na competição" - Zola

22 de setembro de 2021

António Moreira "Zola" durante jogo com Camarões
A+ A-

Esta quarta-feira, no Afrobasket feminino, que decorre nos Camarões, há confronto entre adversários que falam a mesma língua, o português. Cabo Verde mede forças com Angola.

Depois das duas derrotas na fase de grupos, a seleção nacional vai tentar continuar na prova. Para isso, terá de vencer as angolanas que já ganharam um jogo, frente a Moçambique, e perderam outro, com Nigéria.

O selecionador nacional diz que os erros cometidos na segunda-feira na partida com os Camarões “já foram analisados” e Cabo Verde “está preparado para ter um bom desempenho” hoje diante de Angola

Ao fim de dois jogos, Zola vê melhorias na condição física das jogadoras.

“Tenho certeza de que estaremos melhores, fisicamente. Estou feliz porque vejo essa melhoria e, neste aspeto, estaremos melhor no terceiro jogo. Estaremos preparados para jogarmos 40 minutos e não apenas três períodos como aconteceu no duelo com os Camarões”, explicou em entrevista à RCV

O jogo de hoje com Angola está marcado para às 18h00, mais duas horas nos Camarões. O selecionador nacional analisa o adversário e concluiu que está ao alcance de Cabo Verde, ainda que, fisicamente, as angolanas sejam ligeiramente mais fortes

“Acho que Angola é uma equipa com a qual equilibramos e encaixamos melhor. Fisicamente, não são tão mais altos, embora tenha vantagem ligeira neste aspeto sobre nós. Já analisámos a equipa, já vimos os dois jogos que fizeram, estamos a preparar a nossa tática, o nosso plano de jogo, agora tudo vai depender da execução da equipa técnica e das jogadoras em campo. É isso que temos de melhorar, mas penso que é uma equipa que está ao nosso alcance.”  

No último jogo, com Camarões, Cabo Verde desapareceu no último período tendo marcado apenas dois pontos e veio a perder por uma diferença de 31 pontos. Será que essa derrota pesada poderá afetar hoje as jogadoras?

“Não penso que vá influenciar. Já estudámos esse jogo, analisámos o que fizemos de certo e o que fizemos de errado. Esse jogo já é passado e serve para duas coisas: serve para a história e para ser estudado. Agora, concentração está totalmente no próximo duelo, que é o jogo com Angola”, finalizou.

No duelo desta quarta-feira com as angolanas, só a vitória interessa a Cabo Verde. Uma derrota ditaria a saída do conjunto nacional do Afrobasket feminino.

Benvindo Neves



Artigos Relacionados