"Seria fantástico ter as duas seleções no Afrobasket" - Mané Trovoada

30 de junho de 2021

Mané Trovoada, Selecionador Nacional de Basquetebol [foto fiba.basketball]
A+ A-

A Seleção Nacional Masculina de Basquetebol começa hoje a preparar o jogo com Uganda e que vai decidir o apuramento para o Afrobasket deste ano, a realizar-se entre finais de agosto e inícios de setembro, no Ruanda. 

Por enquanto, os trabalhos decorrem no Pavilhão Vavá Duarte, na Praia. A ideia inicial era arrancar com a preparação já esta quarta-feira no Tarrafal de Santiago. Mas, com jogadores ainda por chegar a Cabo Verde, o selecionador Emanuel Trovoada vai trabalhando com os que já aqui estão até o fim-de-semana. No dia 5, a equipa então transfere-se para o Tarrafal.

Cabo Verde recebe Uganda no dia 17 de julho, no Pavilhão Vavá Duarte. Se ganhar, o combinado nacional qualifica-se para o Afrobasket. Entretanto, o apuramento até poderá ficar decidido uma semana antes, caso Uganda vença Marrocos. Se isso acontecer, já nem será preciso a realização da partida entre cabo-verdianos e ugandeses, mas o selecionador Emanuel Trovoada nem quer saber disso. Diz estar focado no embate com ugandeses.

Esse jogo aqui em casa marca o regresso da seleção de basquetebol ao Pavilhão Vavá Duarte, depois de muitos anos. Será um momento especial, mas, ensombrado pela ausência de público, lamenta o treinador.

O gigante Edy Tavares será um dos trunfos de Mané Trovoada para o duelo com os ugandeses. O poste de de 2,21metros  não integrava a seleção há muito tempo. Agora chega para acrescentar qualidade. 

Se Edy está confirmado, Ivan Almeida fica de fora. O jogador, neste momento em França, continua a recuperar de uma lesão grave. Neste momento já treina e deverá estar disponível para o Afrobasket, caso Cabo Verde venha a se qualificar. Garantia de Mané Trovoada que esteve com ele, recentemente, em Portugal.

Nesta entrevista ao Jornal de Desporto da RCV, o selecionador nacional elogiou ainda a seleção feminina de basquetebol que já tem garantida a presença no Afrobasket. As jogadoras "representam o esforço da mulher cabo-verdiana", disse Mané, para quem "seria brilhante" ter Cabo Verde nos dois Afrobasket deste ano, com as selecções feminina e masculina. "Seria brilhante conseguirmos ter as duas seleções no Afrobasket. Pelas dificuldades e sacrifícios que temos passado devido à Covid-19. Seria um ano fantástico". A seleção feminina já está apurada, falta a masculina 

Emanuel Trovoada concedeu esta entrevista à Rádio de Cabo Verde, dias depois de ter regressado de Espanha, onde esteve a frequentar uma formação com alguns treinadores da elite do basquetebol mundial. O técnico procura levar a seleção nacional a mais um Afrobasket. Em 2007, recorde-se, foi ele quem orientava os "Bravos Guerreiros" que conquistaram a medalha de bronze no Afrobasket em Luanda.

Oiça, a seguir, a matéria da RCV com as declarações de Mané Trovoada:



Artigos Relacionados