“Nigéria pareceu-nos um pouco mais fraca que o Quénia, mas há dia de caça e dia de caçador” – Zina Gomes

24 de junho de 2021

Fauzina "Zina" Gomes em açao em Agadir, Marrocos (Foto: CAVB)
A+ A-

Cabo Verde volta a entrar hoje em ação na Taça de África de voleibol de praia. As duas duplas nacionais enfrentam a Nigéria.

O primeiro jogo é daqui a pouco. A dupla constituída pelas irmãs Ludmila e Janice Varela são as primeiras a ir a jogo no areal de Agadir, é dentro de meia-horas, às 08h30.

Logo depois, às 09h15, será a vez da outra dupla nacional constituída por Marly Lima e Zina Gomes enfrentar outras duas adversárias nigerianas.

Na antevisão dos jogos desta quinta-feira, a Rádio de Cabo Verde ouviu Zina Gomes. A jogadora que faz dupla com a santantonense Marly Lima, explica que ontem puderam assistir o jogo da Nigéria com o Quénia, pelo que estão prontas para os duelos desta manhã.

“Tivemos oportunidade de ver as nigerianas a jogar ontem. Pudemos observar os seus pontos fortes e fracos e o que temos de fazer é focar nos nossos pontos fortes e sermos consistentes. Não errando muito e sendo consistente na virada de bola, a vitória acaba por chegar, naturalmente. Não há que ter pressão.”

Na estreia, terça-feira, frente ao Quénia, Cabo Verde perdeu no golden match, depois de um empate.

Ontem, Quénia e Nigéria defrontaram-se e as quenianas venceram 2-0.

Zina Gomes compara as duas seleções e fica com a ideia de que as duplas nigerianas são menos fortes que as do Quénia.

“Fisicamente, a maioria das equipas tem um porte físico extraordinário. Mas, comparando com o Quénia, acho que vai ser um jogo um pouquinho mais fácil, só que é no campo que as coisas acontecem. Mesmo tendo a perspetiva do jogo que fizeram com o Quénia, em que perderam por 2-0, nunca se sabe, há sempre um dia da caça e um dia do caçador. Mas nós vamos para ganhar.”

Olhando para a prestação de Cabo Verde no primeiro dia, Zina Gomes acredita que o nervosismo acabou por atrapalhar um pouco.

O objetivo de Cabo Verde nesta competição passa por conseguir a qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Zina diz não passar outra ideia pela cabeça das atletas nacionais.

“Na nossa mente é esse o objetivo. Não há esta coisa de experiência, nós vamos lutar porque a qualificação está disponível para qualquer de nós. Se estamos aqui é por alguma razão, e vamos dar nosso sangue, dar o tudo por tudo”, finalizou.

Fauzina Gomes, conhecida por Zina ou Fau, é natural de São Vicente e vive nos Estados Unidos. É uma das quatro jogadoras que representam Cabo Verde na Taça de África de voleibol de Praia.

Ontem, as duplas nacionais deveriam ter jogado com a República Democrática do Congo, mas devido a infeção por Covid-19 das congolesas, o jogo foi cancelado e a vitória foi atribuída a Cabo Verde.

Depois da jornada de quarta-feira, ficaram qualificadas para os quartos-de-final as duplas femininas do Egito, Moçambique, Marrocos, Quénia, Cabo Verde, Nigéria. Em masculinos: Moçambique, Gana, Egito, Gâmbia.

Benvindo Neves / RCV