"A comunidade LGBTI está esquecida neste tempo da pandemia" - Sandra Tavares

29 de abril de 2021

A+ A-

Uma lei anti homofobia ou um pouco mais de atenção e apoio. É o que reclama a Presidente da Associação LGBTI da Praia. Sandra Tavares diz mesmo que a comunidade está esquecida neste tempo da pandemia e em que muitos sofrem por causa do desemprego e da Violência Baseada no Género.

Para Sandra Tavares os direitos das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e intersexuais estão ainda à margem. Aliás, os direitos e a cidadania estão na base de uma formação promovida pela CNDHC, Comissão Nacional dos Direitos Humanos e Cidadania, como forma de capacitar dos participantes e criar bases para que o ativismo LGBTI seja exercido de forma consciente.

Uma iniciativa, afirma Sandra Tavares, há muito aguarda pela Comunidade. A presidente da Comunidade LGBTI da Praia confessa que a pandemia da Covid-19 arrasta enormes desafios, a começar pelo desemprego.

O que também causa dor de cabeça à Comunidade LGBTI é a violência baseada no género e a morosidade judicial. Motivos que levam a presidente da Associação, Sandra Tavares, a apelar para a criação de uma lei anti homofobia.

Recordamos que a Comunidade LGBTI recebe hoje uma formação sobre a cidadania e os direitos promovida pela Comissão Nacional dos Direitos Humanos. A mesma formação que abrange agora as ilhas do Sotavento, já tinha sido ministrada em São Vicente com a participação das ilhas do Sal e Santo Antão.