Grand Prix Tunis. "COPAC apresentou um orçamento que era dobro daquele da FECADA" - Presidente do IDJ

17 de março de 2021

Frederic Mbassa, presidente do Instituto do Desporto e da Juventude
A+ A-

O presidente do Instituto do Desporto e da Juventude diz estranhar as declarações de Rodrigo Bejarano que ontem no Jornal do Desporto da RCV, queixava-se da falta de recursos financeiros para permitir a participação de mais atletas paralímpicos no Grande Prémio de Túnis. 

Frederic Mbassa começa por dizer que o IDJ desde o início procurou criar condições para que os atletas pudessem preparar-se.

Depois veio a questão do financiamento para a participação de sete atletas paralímpicos no Grande Prémio de Tunis. Frederic Mbassa diz que o Instituto do Desporto e da Juventude recebeu duas propostas: uma da FECADA, Federação Cabo-verdiana de Desporto Adaptado, e outra do Comité Paralímpico Cabo-verdiano. Só que, o documento do COPAC, de acordo com o presidente do IDJ, era deficiente e com custos elevados.

Frederic Mbassa diz mais: além de um orçamento mais reduzido, o projeto da Federação Cabo-verdiana de Desporto Adaptado estava bem elaborado, com tudo especificado, ao contrário – diz - do que fez o COPAC.

Por fim, um aviso, em matéria de financiamentos, o Instituto do Desporto e da Juventude dialoga é com as federações, pontua Frederic Mbassa.

Frederic Mbassa assegura que o Instituto do Desporto e da Juventude garantiu 85% do projecto da participação dos dois atletas cabo-verdianos no Grande Premio de Tunis. Cabo Verde está representado com Marilson Semedo e Anderson Delgado. Eles vão tentar os mínimos para a qualificação para os Jogos Paralimpicos de Tóquio.