Cabo submarino de fibra ótica EllaLink de última geração já está em Cabo Verde

18 de fevereiro de 2021

A+ A-

O cabo submarino de fibra ótica EllaLink, para ligar Europa à América Latina, já está em Cabo Verde, informou hoje a Cabo Verde Telecom, num projeto considerado estruturante para o país ser plataforma digital. 

Em comunicado, a Cabo Verde Telecom (CVT) referiu que o sistema EllaLink é um cabo submarino de fibra ótica de última geração, projetado para atender à demanda de tráfego entre a Europa e a América Latina, com possibilidade de inclusão do tráfego da região da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a partir de Cabo Verde. 

O projeto está orçado em 30 milhões de dólares (24,9 milhões de euros), tem um financiamento do Banco Europeu de Investimento (BEI), no montante de 25 milhões de dólares, com o aval do Governo de Cabo Verde. 

O projeto é considerado de “grande importância para o desenvolvimento das comunicações em Cabo Verde”, porque representa um “leque muito valioso de oportunidades em matéria de conectividade, mobilidade e integração”. 

Segundo a Cabo Verde Telecom, a amarração do cabo vai ser realizada na quinta-feira, na praia do Portinho, em Achada Grande Trás, no concelho da Praia.
 
Em agosto do ano passado, a CVTelecom lançou a construção do terminal do cabo submarino, um projeto considerado estruturante para transformar o país numa plataforma digital. Projetado pelo arquiteto Maurício dos Santos, o edifício que vai albergar a estação do terminal do cabo submarino e está a ser construído na zona industrial de Achada Grande Frente. 

Na altura, o presidente do conselho de administração da CVTelecom, João Domingos Correia, disse que o cabo vai passar ainda por Portugal, mas também liga a América Latina, mais concretamente o Brasil. O sistema EllaLink é um cabo submarino de quatro pares de fibra de última geração projetado para atender à demanda de tráfego entre a Europa e a América Latina. 

Segundo João Domingos Correia, o cabo vai ser uma “autoestrada” que vai ligar Cabo Verde ao mundo, juntando-se à atual estação de Cabo Submarino Wacs (West Africa Cable System) e a outro cabo chamado Atlantis II, o primeiro mais antigo e já em fase de descontinuação.

Maria José Macedo / RCV