Grande Prémio Atletismo Paralímpico: Cabo Verde deixa Tunísia com 4 medalhas. Heidilene traz ouro e prata

30 de junho de 2022

A+ A-

Terminou em grande a participação cabo-verdiana no Grande Prémio de Atletismo Paralímpico, Tunis 2022. Os três atletas nacionais conseguiram quatro medalhas, sendo uma de bronze, duas de prata e uma de ouro. Ontem, no último dia de competição, Heidilene Oliveira e seu guia Jailson Oliveira arecadaram uma medalha de ouro nos 400 metros classe T12.

Heidilene acabou por fazer um triplete… três medalhas em três provas. Primeiro ganhou bronze, depois Prata e, por fim, o ouro. Um desempenho memorável para a jovem com deficiencia visual, nesta que foi a sua primeira experiencia internacional.

“Não tenho ainda muitas palavras para descrever meus sentimentos, foi tudo tão rápido com três provas uma a seguir a outra. Estou bastante satisfeita e cheia de emoção, não consigo conter-me, acho que vou chorar”. E chorou mesmo de emoção, enquanto falava à Rádio de Cabo Verde.

O caso não era para menos. Três medalhas em tres dias: uma de bronze na segunda-feira, nos 100 m; prata na terça-feira nos 200 m e, ontem, ouro nos 400 m, categoria t12, baixa visão. Tunis vai ficar na  memória da Heidiliene, jovem do bairro de Chã de Alecrim, cidade do Mindelo.

Dos três atletas que estiveram a representar Cabo Verde no Grande Prémio Mundial de Atletismo Paralímpico na Tunísia, só Marilson Semedo não conseguiu medalhas. Mas, tem, igualmente, motivos para estar feliz.

“Em relação ao meu desempenho, estou bastante satisfeito. Acabei por cumprir meu objetivo principal que era melhorar minha marca no lançamento de dardo, ultrapassei a marca que trazia de Tóquio. Nas minhas provas havia muita concorrência, com os melhores de África, da Europa e da Ásia. Mas, os meus resultados deixaram-me com muito optimismo para as próximas competições.”

Marilson competiu nas modalidades de lançamento de dardo e lançamento de peso. Mas, em Tunis, não esteve apenas como atleta. Ele era, ao mesmo tempo, o chefe da caravana nacional. E, nesta condição,  disse à RCV que valeu a pena a participação de Cabo Verde neste Grande Premio.    

“Creio que justificámos a nossa vinda para esta competição na Tunísia. Tivemos bons resultados e devo destacar a Heidilene que esteve brilhante nas suas três provas. A nossa satisfação é completada com a medalha de prata de Jailson Correira. Eu também acabei por melhorar a minha marca no lançamento de dardo, que era um dos grandes objetivos que eu tinha, e penso que fiz uma grande prestação.”

Estas quatro medalhas conquistadas em Tunis “representam uma grande motivação para futuras competições”, prosseguiu Marilson Semedo, acrescentando que o foco vai estar agora no Grande Prémio de Marraquexe, em setembro. “Espero que até lá sejam criadas condições e que haja um orçamento para podermos ir e, deste modo, os atletas terem a oportunidade de continuar dar o seu melhor, que é o que temos estado a fazer para o nosso país.”

A caravana cabo-verdiana que esteve em Tunis era composta por cinco elementos, três atletas e dois guias. O grupo deixa a capital da Tunínia na tarde desta quinta-feira, faz escala em Marrocos e a chegada à Cabo Verde está prevista para a madrugada de sexta-feira

Cabo Verde sai da Tunísia com um total de 4 medalhas, uma de Bronze (Heidilene Oliveira, 100 m), duas de prata (Heidilene Oliveira e Jailson Correia, 200 m) e uma de ouro (Heidilene, 400 m)

Benvindo Neves / RCV

Artigos Relacionados