ADECO pede medidas urgentes para evitar uma crise alimentar em Cabo Verde

14 de maro de 2022

A+ A-

A ADECO, Associação para Defesa do Consumidor, quer medidas rápidas para colmatar a oscilação e aumento de preços de alguns produtos que, em alguns casos, chegam a atingir mais de 150%. Esta situação é consequência de um mercado liberal e o Governo já deixou claro que sendo assim não intervém.

ADECO pede medidas urgentes de modo  a evitar uma crise alimentar em Cabo Verde e propõe respostas rápidas de mitigação, através da diminuição de tributação dos bens essências.

O preço dos produtos básicos como pão, óleo, gás, farinha, azeite e ovo dispararam no mercado.
Os consumidores levam as mãos à cabeça porque o salário, este mantem-se. O Governo já deixou claro o mercado é livre e os consumidores ficam assim à merce dessa liberação. A ADECO considera a situação critica e é preciso ser respondida também de forma critica sob pena e podermos vir a estar perante um crise alimentar.

ADECO quer supervisão a funcionar em pleno ao mesmo tempo que pede medidas rápidas para colmatar esta crise. A presidente da ADECO, Eva Caldeira Marques, pede as autoridades cabo-verdianas que se recentrem.