ADECO congratula-se com medidas mitigadoras da crise anunciadas pelo governo

22 de junho de 2022

A+ A-

Ciente que as medidas de política engendradas pelo Governo, face ao quadro de emergência económica e social, não serão o suficiente para combater os efeitos da atual crise que abala o mundo e o país em um contexto particular, a ADECO aplaude a ação do executivo nacional, pela proteção que isso dá à economia e os cidadão mais afetados por este quadro.

Além das medidas mitigadoras, a ADECO espera uma fiscalização atuante. 


A declaração do estado de emergência económica e social feita pelo governo e as propostas que seguem de mitigação dos efeitos da guerra na Ucrânia levam o executivo nacional a propor um conjunto de medidas que atenuam os impactos da crise, com especial incidência nas famílias mais vulneráveis.

Este fato é encarado pela Associação para Defesa do Consumidor como um sinal positivo, dado ao alcance da perda do poder de compra para os cabo-verdianos, em consequência deste fenómeno mundial que também atinge o país.

A presidente da ADECO, Eva Marques, enfatiza, entretanto, que é tão importante como as medidas protetoras da economia, será a fiscalização das mesmas para que estas produzam os efeitos propostos.

Em momentos como este, caracterizado pela ocorrência de dificuldades económicas e sociais, a ADECO entende ser responsabilidade do Estado facultar ao cidadão o acesso aos bens essenciais garantindo-lhe meios de os adquirir.

Por ser a ADECO uma associação cívica, cujas decisões não têm efeitos vinculativos ou sancionatórios, Eva Marques diz ser de todo o interesse público que o país tenha uma agência que cuide dos direitos dos consumidores.

Com o propósito de ajudar as famílias, os consumidores, a lidarem melhor com a nova realidade económica, a ADECO disponibiliza assessoria financeira, bastando para isso que os interessados façam o agendamento do atendimento por prévia marcação telefónica. 

RTC Multimédia com RCV/TCV.